Chuva moderada

editorial

06/02/2016 07:00:00

Menos “se” e mais “agora”

Jornal Semanário - Jornal Semanário - 06/02/

Infelizmente mais uma semana foi marcada por violência. Caixa de banco que foi pelos ares, assassinato no bairro Eucaliptos, roubo à armada e perseguição policial que resultou em um jovem morto. Tudo muito triste. Isso sem falar nos pequenos delitos que nem caberiam nas páginas dedicadas para reportagens de Segurança.

O que acontece com o ser humano? Matar virou banalidade? Antes parecia coisa de cidade grande, que víamos pela televisão e agradecíamos por morar em uma cidade sem violência.

Quem hoje sai de casa tranquilo, seja para uma caminhada, para comer uma pizza ou pagar uma conta no banco? Acho que mais ninguém. E nossas casas viraram verdadeiras fortalezas, com grades, cercas e cães de guarda. É possível viver feliz assim?

A culpa é da crise? As pessoas perderam os empregos e foram assaltar e roubar? Provavelmente não. O efetivo da polícia é pequeno e será que o Governo consegue entender o quanto é preciso investir na segurança?

Não podemos viver assim. Presos em nossas casas, sem enxergar quem passa na rua porque os muros não permitem mais. Sair para jantar não pode ser um momento de tensão ou de alívio ao chegar em casa tranquilo. Deveria ser a coisa mais normal do mundo chegar em casa em segurança. Deveria ser tranquilo para os pais saberem que os filhos estão se divertindo e voltarão para casa na mesma noite.

Será que a culpa é das drogas, que faz uma pessoa simplesmente matar a outra, como se nada fosse? Será que as leis são muito brandas e não assustam mais nem criancinha? Algo bem errado está acontecendo e bem embaixo dos nossos narizes.

Antigamente conselho de mãe era para não aceitar balas de estranhos e olhar para os dois lados antes de sair de casa. E hoje como deve ser esse conselho? Não fale com ninguém. Olhe para todos os lados várias vezes e viva com medo, se puder tente ser feliz no meio disso tudo.

Acho que não é isso que as pessoas querem. Não é esse mundo que os jovens merecem, nem pessoas de meia idade e nem idosos. Será que existe uma solução para o que vivemos hoje? O medo tem que ser nosso companheiro fiel? Qual a solução?

Mais polícia nas ruas, mais empregos, mais compaixão pelo outro e nada de drogas. Parece um mundo perfeito e inviável. Parece. Mas pode ser viável se toda a sociedade se unir para mudar. Se a consciência começar a pesar no travesseiro. Se os jovens tiverem mais oportunidades. Se valorizar o outro passar a fazer parte da rotina. E se pararmos com o "se" e fomos para o "agora".

Compartilhe pela rede:
Comente esta notícia